quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Curso preparatório para pais

Viu... nem demorei tanto assim para voltar!

Esse sábado passado fui fazer o curso preparatório para pais. É um curso que pode ser feito em qualquer momento da gestação, mas a maternidade recomenda que seja feito depois das 25 semanas, porque aí a ansiedade já começa a pegar e o curso ajuda a gente a se preparar para o que vem.

Antes de marcar o curso, conversei com o marido para saber o que ele achava, e ele super topou! Assim como eu, ele também é papai de primeira viagem e acha que a gente precisa se informar para não bater muito desespero quando o bebê chegar.

No e-mail dizia que o curso começava às 8:30, mas pelo jeito o e-mail estava errado, porque quando chegamos lá, já tinha começado. Mas tudo bem... pelo que vi, eles repetiram as mesmas informações que eu já tinha visto na visita à maternidade, então sem problemas.

Durante o curso aprendemos muitas coisas:

  • Desenvolvimento do bebê: Fase a fase, como o bebê cresce no útero, quais as modificações no corpo da mulher.
  • Sinais e sintomas do trabalho de parto: A enfermeira explicou como identificar que estamos entrando em trabalho de parto e em que momento ir para a maternidade (segundo ela, só precisa ir pra maternidade quando as contrações estiverem ritmadas e acontecendo 2 em cada 10 minutos).
  • Tipos de parto e de anestesias: Vimos vídeos de como são feitos o parto normal e a cesárea (mas sem ver os cortes, tá... nada de sangue para não assustar a gente). E também foi explicado como é feita a anestesia para a cesárea e a analgesia para o parto normal (sim, é possível ter parto normal sem dor). Uma coisa legal é que lá eles estão incentivando muito o parto normal!
  • Exames feitos no bebê: Uma pediatra plantonista do hospital explicou cada um dos exames feitos no bebê e qual a importância de cada um deles.
  • Cuidados no pós-parto: Ela explicou o que acontece depois do parto, sobre o sangramento que a gente tem, que tem que ser monitorado, sobre comer depois de parir, sobre tomar banho e as visitas que a gente recebe da equipe médica no quarto.
  • Banho, troca de fraldas, curativo do umbigo: Foi nos passado como será a rotina com o bebezinho, e aprendemos como trocar fraldas e dar banho, usando uma boneca que tem o mesmo tamanho e peso de um recém-nascido.
  • Amamentação: Mostraram os diferentes tipos de bicos e qual tipo de concha ideal para cada um, explicaram a necessidade de ter um sutiã de amamentação, e principalmente, as posições corretas para pegar o bebê para amamentar.
Bom... isso é um resumão do curso. Foram 8 horas de curso, então tem muito conteúdo além do que eu comentei, mas esses são os pontos principais. Se valeu a pena? Eu acho que valeu muito! Voltamos super cansado para casa, com tantas informações, mas acho que são informações que serão úteis para nós quando o Yuri vier.

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Visita à maternidade

Vamos tirar um pouco o pó daqui?
Então gente, até tive novidades nesse meio tempo, mas a correria não permitia vir aqui postar. Nada relacionado a gravidez na verdade, a correria é no trabalho mesmo, já que tenho que deixar tudo bonitinho para poder sair de licença no começo do ano. Então estou aproveitando que deu uma aliviada pra vir aqui dar uma atualizada.

Semana passada fui fazer uma visita à maternidade onde pretendo ter o bebê. Mas antes de falar da visita, vou explicar um pouco como foi o processo de escolha do local.


Escolhendo a maternidade

O primeiro passo foi consultar no site do plano de saúde, quais maternidades são cobertas e ver o endereço de cada uma. Meu plano de saúde é pago pela empresa, não é um dos melhores, mas está longe de ser um dos piores, então vi que as principais maternidades da cidade estão cobertas. Então peguei a listinha das maternidades:

  • Beneficência Portuguesa
  • Santa Joana
  • Samaritano
  • São Luiz Itaim
  • São Luiz Anália Franco
  • Nipo Brasileiro
  • Pro Matre
O próximo passo foi verificar a localização de cada um desses, pois teria que ser o que fosse de mais fácil acesso tanto de casa quanto do trabalho (afinal de contas, vai que eu entro em trabalho de parto antes do tempo?).

Outra coisa que conferi foram indicações de pessoas que já tiveram seus partos nos hospitais listados, para saber como foi a experiência. Afinal de contas, nada melhor do que saber as coisas de quem já vivenciou as coisas.

Por fim, teria que ver em quais as maternidades a GO atende. Isso na verdade deveria ser uma das primeiras coisas a serem verificadas, mas como eu estava disposta a ter meu parto com a equipe de plantonistas do hospital, não foi tão decisivo para mim...

Então, por todos esses pontos, escolhi o São Luiz Itaim.


Conhecendo a maternidade

Através do site do hospital, peguei os contatos para agendar a visita à maternidade. A ideia é basicamente conhecer as instalações do hospital e quais serviços são oferecidos. Bem como entender como é a dinâmica da internação por lá.

A visita foi super rápida... coisa de 30 minutos... mas mesmo assim recebi várias informações interessantes. A começar com um check list de quais documentos preciso levar no dia. O ideal é já deixar uma pastinha preparada com todos os documentos para levar junto na maternidade e assim agilizar o processo de internação.

Outra coisa que eles passaram foi a lista de enxoval para levar. Explicaram também quais materiais eles fornecem (por exemplo, fraldas e material de higiene para o bebê) e quais a gente tem que levar (quantas mudas de roupas, quais materiais de higiene pessoal, etc).

Deram também dicas do que verificar com o plano de saúde e do que conferir nos estacionamentos próximos para não sair tão cara a estadia do carro da família.

Além disso, recebi alguns voucher de desconto para fazer o curso preparatório de pais, oferecido pelo hospital. Achei bem legal a ideia de fazer o curso, já que sou mamãe de primeira viagem, mas os detalhes desse curso deixo para um próximo post.